Home O Colegiado de Trinos

O Colegiado de Trinos

A Criação do Colegiado

Salve Deus!

No início do ano de 2018, logo após a partida do Trino Ajarã, Mestre Gilberto Zelaya, filho primogênito de Tia Neiva e responsável pelos Templos do Amanhecer, o Trino Presidente Triada Suamanã, Mestre Michael Hanna – 1º Mestre Sol Curador do Amanhecer fortaleceu o seu processo de recrutamento de Missionários Doutrinadores para a composição de um sistema de sustentação e condução da Doutrina. O desejo do Trino Sumanã era a formação de novos Trinos Regentes que viessem a compor o que ele chamaria mais tarde de Colegiado de Trinos. De acordo com o Mestre Michael, havia necessidade de se alavancar as ações Doutrinárias para estruturação do Colegiado, uma vez que os Trinos Regentes já formados não comungavam do pensamento visionário do Trino Maior.

Segundo o Trino Sumanã, nos últimos 30 anos a Doutrina havia sofrido uma série de alterações e deturpações, e sua preocupação maior eram as criações pautadas no misticismo e nas conveniências humanas – algo muito comum dentro dos sistemas religiosos. Uma vez que a Doutrina do Amanhecer não está alicerçada em valores humanos ou nas liturgias tradicionais, seria um desafio para o último Trino Presidente e seu novo grupo de Trinos Regentes, estabelecer diretrizes que não se distanciassem dos valores trazidos por meio dos olhos inquestionáveis da Clarividente Neiva.

Tia Neiva dentro do Sistema Doutrinário representa o ápice da pirâmide hierárquica da Doutrina do Amanhecer. Suas patentes foram chanceladas pela outorga dos Grandes Iniciados e firmada por meio de suas Consagrações Espirituais. Tudo que flui da Clarividente no Amanhecer é essencialmente espiritual e palpável. Nada do que ela deixou foi moldado pelas mãos humanas ou tecido pelos falhos pensamentos do homem. Dessa maneira, o Trino Sumanã afirmou por diversas vezes, que o referido Colegiado necessitava de registro Espiritual para que pudesse agir de forma legítima no plano físico. Embora soubesse da necessidade de deixar registros formais de suas intenções aos olhos terrenos, o Mestre Michael Hanna repetidamente explanava sobre o poder de uma Consagração Legítima – realizada e sustentada pela presença de um Trino também consagrado de maneira legítima.

O 1º Mestre Sol Curador, destacou que a Doutrina do Amanhecer fora agredida por ações escusas, onde pessoas agindo de má fé utilizaram-se de estatutos e protocolos pro formes de instituições jurídicas, simplesmente para subjugar os objetivos reais da Doutrina trazida por Tia Neiva, com tanto esforço. Por diversas vezes estas ações que preconizavam a figura de “Papas” dentro do Amanhecer implicaram na desagregação do corpo mediúnico e, principalmente, na depreciação da Doutrina. Em contraponto, o Trino Sumanã estabeleceu as bases focais para estruturação do Colegiado de Trinos. Assim, alguns desses pontos merecem destaque:

  • Reestabelecimento da estrutura hierárquica – Trazer à originalidade a chamada oficial que fora alterada após a partida da Clarividente;
  • Legitimação das Consagrações Mediúnicas no Plano Espiritual – Evitar que os missionários não alcancem o que lhes é de direito, uma vez que somente àqueles que têm acesso ao 9º poderão dispor;
  • O Trabalho harmônico em equipe – Nenhum dos seus Regentes teriam outorga espiritual para agir sozinhos, devendo agir de maneira colegiada e participativa, evitando a criação de ilhas e pseudo grupos feudais;
  • Ação Franciscana como prioridade – Nenhum Trino Regente poderá comercializar de forma direta ou indireta quaisquer armas, uniformes ou material utilizado nas consagrações;
  • O cumprimento incondicional das Leis e Rituais do Amanhecer.

Após estabelecidos os critérios de formação do Colegiado pelo Trino Sumanã, ele de pronto percebeu que muitos médiuns, ainda presos aos velhos vícios e com visão deturpada da Doutrina e suas bases hierárquicas, não estavam de acordo com sua iniciativa de preservação e resgate da Doutrina original de Tia Neiva. Para o descontentamento do Trino, alguns dos seus Regentes não comungaram com o Trino Maior, seja pelo fato de terem uma visão absolutista da hierarquia ou pelo desejo de se manterem e se subsidiarem economicamente, se locupletando da Corrente. Uma vez que o Trino Sumanã não abrira mãos dos valores a ele transmitidos pela Mentora, alguns dos colaboradores e também dos seus Regentes, inevitavelmente se afastaram do Mestre Michael e do seu desejo libertador.

Em sua empreitada para garantir aquilo que nenhum dos demais Trinos se permitiu fazer, o Trino Sumanã corajosamente resgatou a Consagração do Trino Regente Triada, sendo este, um Trino com a devida condição e outorga espiritual para representar quaisquer um dos Trinos Presidentes Triada quando necessário. Na Doutrina do Amanhecer, a Clarividente havia consagrado o Trino Triada Tumarã, Mestre José Carlos para este fim. No entanto, o mesmo preferiu se manter na condição de Adjunto de Apoio da Falange de Dharman-Oxinto, tendo como Primeira a sua companheira Dinah. Dessa Forma, o Mestre Michael Hanna, consagrou o então Trino Garvano, Regente Sumanã, Mestre Hailson Fábio, dando a ele a condição e missão de presidir o Colegiado, com a devida outorga para realizar quaisquer consagrações no Amanhecer, exceto a consagração de Trino Presidente Triada que, de acordo com Trino Maior, jamais poderá ser refeita, pois já alcançou seu propósito maior: trazer as Divinas Raízes.

Após o desencarne do Trino Sumanã e findado o período de luto, o Trino Triada Garvano convocou os Trinos Regentes Sumanã para definir as ações Doutrinárias, agora sem a presença do Mestre Michael Hanna no plano físico. Uma vez que alguns dos Trinos Regentes seguiram caminhos próprios, contrariando o desejo daquele a quem representaram um dia, o Colegiado de Trinos se fortaleceu em suas convicções e seguiu fielmente o que fora estabelecido por Tia Neiva e pelo Trino Maior – preferindo um caminho sem barganhas, sem facilidades, porém, com um único desejo: o de bem servir o Mestrado da Doutrina do Amanhecer de forma honesta e legítima.